Posts Tagged ‘Olho na Mídia,’

Cofre do fim do mundo ???

20/04/2010

Nova Arca de Noé ???

O Banco Global de Sementes…

Henry Kissinger [1] declarou nos anos 70 o seguinte: “’se controlarmos o petróleo, controlamos o mundo; se controlarmos os alimentos, controlamos a população…”

A origem espiritual do Banco global de sementes

Bahá’u’lláh assevera que “Especial atenção deve ser dada à agricultura”. Mesmo no século 19 ele já sabia que a terra passaria por transformações por esse motivo todos os governantes receberam um livro chamado “A promessa da paz mundial” (um resumo das leis do kitáb), dessa forma todas as nações começassem a cooperar com o banco global de sementes.
Na media que chegamos mais próximos do estabelecimento do seu governo espiritual e material na terra, as regiões celestiais do mal, através de seus agentes humanos, começaram a divulgar dezenas de mapas catastróficos .

Afirmar que esses eventos ocorrerão em 2012 é loucura! Nem mesmo o Senhor Jesus divulgou qualquer data sobre esse evento:

Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai. (Mateus 24 : 36)

Após o surgimento desse boato no mundo espiritual e posteriormente recebido por médiuns através de canalizações, todos os aderentes da nova era começaram a criar projetos para “salvar” as plantações no planeta.

A origem Material do Banco global de sementes

Para começar a “construir” o paraíso na terra satanás está usando dois eventos de forma simultânea que são:

1) A rodada de Doha na OMC, que visa diminuir as barreiras comerciais em todo o mundo, está abrindo as portas para o futuro Banco global de sementes. Estima-se que ainda esse ano as negociações da rodada de Doha sejam concluídas[2].

2) O segundo evento diz respeito ao tipo de pessoas que podem investir nesse mercado milionário para controlar povos e nações. Somente pessoas que estiveram muito a frente de seu tempo poderiam realizar tal façanha como: Bill Gates [3] e os Rockfeller.
De olho nesse novo mercado Bill Gates e Rockefeller, através de suas respectivas fundações isentas de impostos investiram durante anos nesse projeto que agora se concretizou. A nova forma de ganhar dinheiro dos globalistas já começou a receber os seus depósitos em sementes

Paises como o México já começam a cooperar com o governo mundial da ONU depositando suas sementes. Três toneladas de sementes de milho e trigo partiram do México no dia 23/01/08 rumo a um depósito sob o gelo construído em uma ilha da Noruega, no Circulo Ártico. Ali serão armazenadas junto a 200 mil variedades de outras plantas da Ásia, África, América Latina e Oriente Médio.”

As conseqüências para a humanidade

O que a Bíblia diz sobre isso?

Fora está a espada, e dentro a peste e a fome; o que estiver no campo morrerá à espada, e o que estiver na cidade a fome e a peste o consumirão. (Ezequiel 7 : 15)

O mercado global de sementes está projetando para a sociedade uma época de conflitos e sofrimentos para a população da cidade e do campo. Além de controlar a população os globalistas também possuem em suas mãos o direito de decidir o que será plantado e qual o tipo de alimentação o governo mundial quer que as pessoas consumam.

A fé baha’i está criando uma sociedade global totalmente vegetariana. No texto abaixo extraído de outro livro de Abdu’l’bahá chamado de “promulgação da paz universal” ele responde a essa pergunta para os globalistas:

Pergunta: Qual será o alimento do povo unido?
Resposta: “À medida que a humanidade evolui, a carne será cada vez menos usada, pois os dentes do homem não são carnívoros.” Mais adiante ele afirma : “ Os dentes humanos, os molares, são formados para triturar grãos. Os dentes dianteiros, os incisivos, são apropriados para frutas, etc. Por isso, de acordo com os implementos para a alimentação, torna-se evidente que o alimento do homem deve ser grãos e não carne. Quando a humanidade estiver mais plenamente desenvolvida, comer carne será gradualmente abandonado.

Em quanto o livro da Besta proibirá o consumo de carne pela mentira, a Bíblia mostra mais uma vez o contrário:

Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças; (I Timóteo 4 : 3)

Referências:

[1] – Kissinger foi conselheiro para a política estrangeira (1968-1976) de todos os presidentes dos EUA de Eisenhower a Gerald Ford, sendo o secretário de Estado

[2] – Conclusão da Rodada Doha em 2008 é questão de necessidade para ministros.
http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2008/01/26/conclusao_da_rodada_doha_em_2008_e_questao_de_necessidade_para_ministros_1167248.html

[3] – Site da Fundação Bill e Melinda Gates
http://www.gatesfoundation.org/GlobalDevelopment/Agriculture/default.htm

O que Bil Gates está escondendo?

http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=7529

Fonte: http://apocalipsetotal.blogspot.com/2008/01/o-banco-global-de-sementes.html

Anúncios

Avião chemtrail foi derrubado na china…

18/02/2010

Fonte : Profetaweb

Mensagem subliminar na coca-cola zero…

15/01/2010

Coca Cola Zero – Happy Kingdom (Rey)

Nesse novo comercial da Coca Cola, o rei chega no meio das trevas com o mundo em caos. Essa é a típica imagem do Anticristo e a promessa de paz durante o seu reinado.

Um mago oferece uma coca cola ao rei e esse por sua vez se transforma influenciado todos os seus súditos com a chegada da luz ou o sol da nova era. Aqui temos uma mensagem subliminar, onde a Coca cola representa o alimento espiritual que transformará as pessoas (a besta do abismo). Isso é uma perfeita representação da relação entre o Anticristo e o seu DEUS.

O bobo da corte fica com a coroa do rei. Isso encaixa-se perfeitamente na ordem mundial illuminati, onde o presidente americano ficará feliz com a chegada do anticristo para resolver os problemas da humanidade.

Mais adiante o ciclope começa a cantar e os dois dragões cospem fogo formando um círculo. Essa é uma representação do símbolo illuminati (o olho que tudo vê) em harmonia com a besta de dois chifres (Apocalipse 13:11).

Uma princesa (que representa a igreja americana) sai do castelo e pula o círculo de fogo, porem não mata os dois dragões. Aqui temos outra característica da mulher assentada na Besta. Os EUA está promovendo a maior apostasia de todos os tempos através de seus líderes como Myles Munroe, Morris Cerullo e outros que trabalham para estabelecer o falso reino de DEUS na terra. Afinal…eles jamais matariam a besta de dois chifres, pois os mesmos estão apoiando a criação desse reino.

Uma outra moça ( que se encaixa como a mulher do rei ou príncipe) se exibe de forma sensual tirando parte de sua roupa para um homem.

A depravação é marca registrada do Anticristo; e se por acaso ele for casado, não terá respeito nenhum por sua mulher permitindo que ele seja uma adultera.

Mais adiante um homem místico faz ritual juntamente com dois templários. Na vida real, foram os templários que guardaram e protegeram o Monte Carmelo até a chegada de Baha’u’llah, o prometido de todas as religiões. Foi o filho místico de Baha’u’llah, Abdu’l’Bahá, que participou dessa negociações.

Mais adiante o ciclope ( que representa olho que tudo vê) está feliz da vida com os dois dragões (A besta de dois chifres) cantando .

No primeira partem da nova ordem mundial, os EUA estará cooperando com o reinado do anticristo somente depois de algum tempo ele e seus nove mestres eleitos devastarão a América.

Essa animada história não poderia terminar de forma diferente. O bobo da corte ( O presidente americano) sai pelos ares; e também temos três fumaças coloridas na formação (1-1-1) que representam o Anticisto e a Besta de dois chifres.

Fonte: Apocalipsetotal.wordpress.com/

‘texto final’ divide países em Copenhague…

09/12/2009
Por BBC, BBC Brasil, Última atualização: 8/12/2009 17:49

Vazamento de ‘texto final’ divide países em Copenhague

O vazamento de um esboço de documento final – proposto pela delegação dinamarquesa, que preside o encontro – deixou expostas as divisões entre os países participantes da reunião das Nações Unidas sobre o clima, em Copenhague, nesta terça-feira.

Sob o título “Acordo de Copenhague sob a Convenção-Quadro sobre Mudança Climática da ONU”, o texto prevê, entre outros, metas de corte de emissões dos países ricos de 80% até 2050. Mas também estipula metas obrigatórias para os países em desenvolvimento.

Isso contraria frontalmente os princípios da convenção das Nações Unidas sobre o clima, que sempre dividiram as responsabilidades – obrigatórias – dos países ricos, e voluntárias dos em desenvolvimento.

Revoltados, representantes da Aliança Pan-Africana por Justiça Climática (PACJA, na sigla em inglês) chegaram a provocar um tumulto no Bella Centre, sede da conferência, em protesto contra o texto, que contraria diversos interesses dos países mais pobres.

‘Grave violação’

O chefe da delegação do Sudão, Lumumba Stanislas Dia Ping, atual presidente do G-77, grupo de 130 países em desenvolvimento, classificou a proposta de “grave violação” e “ameaça ao sucesso” do encontro de Copenhague.

O rascunho do polêmico texto, segundo o embaixador extraordinário para mudanças climáticas do Itamaraty, Sérgio Serra, foi apresentado na reunião preparatória uma semana, na capital dinamarquesa.

Ao fim do encontro, do qual participaram apenas representantes dos países mais influentes nas negociações, o documento teria sido recolhido pelos dinamarqueses, segundo Serra.

A situação ficou tão tensa que o próprio secretário-executivo da reunião da ONU, Yvo de Boer, divulgou um comunicado lembrando que o documento era informal.

“Os únicos textos formais no processo da ONU são aqueles tabulados pelos presidentes dessa conferência, em nome dos participantes”, disse Boer.

Para o coordenador da campanha Amazônia do Greenpeace, Paulo Adário, o documento mostra que os países ricos “não querem agir”.

“Não é so o conteúdo, é todo um processo equivocado”, afirmou Adário, referindo-se ao fato de o texto não ter sido discutido.

The Guardian’

Mas, depois que uma cópia chegou ao jornal britânico The Guardian, que publicou o texto na íntegra, além de detalhes com negociadores dos outros países que estariam por trás da proposta, Estados Unidos e Grã-Bretanha, os ânimos se acirraram.

Para muitos, a existência de um documento, ainda que informal, antes das negociações de Copenhague é prova de que os países menores estão sendo alienados do processo.

Para o diplomata, a proposta de um documento final por parte dos presidentes da conferência é uma prerrogativa normal, para o caso de não se chegar a um consenso ao fim do encontro.

No rascunho de uma declaração a ser assinada ao fim do encontro, fica patente a intenção de separar Brasil, China e Índia dos países mais pobres, classificados de “mais vulneráveis”, de forma a evitar que tenham acesso a um fundo de de US$ 10 bilhões anuais.

Várias das propostas incluídas no documento indicam um afastamento dos princípios que norteiam o Protocolo de Kyoto, cujo primeiro período de validade vai até 2012.

Para o Brasil, o que mais incomoda é o “desequilíbrio” do documento.

“Exige-se mais do que se oferece”, afirmou Serra, lembrando que as ofertas de financiamento não são suficientes para as ambições brasileiras.

Em reação ao documento dinamarquês, a China e outros países propuseram uma contrapartida, que segundo Serra, também precisa ser trabalhada.

“A minha aposta não é em um nem no outro, mas um terceiro documento que emane das negociações, e que seja equilibrado, ambicioso e equitativo”, concluiu o diplomata.

BBC Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Fonte : http://verde.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=22823668

Climategate…

08/12/2009
Paul Joseph Watson
Prison Planet.com
Segunda-Feira, 07 de Dezembro de 2009 

Tradução: Revelatti

Caviar Scoffing, CO2 Belching, Prostitute Molesting Climate Crooks Convene For The Mass Raping 071209top

Os números recorde de limusines e jatos particulares estão descendo em Copenhague, enquanto milhares de arrotos de caviar são dados por esses caras com suas prostitutas, o clima dos ladrões hipócritas preparam para orquestrar a próxima rodada de estupros em massa em busca de seu governo mundial muito valorizado e sua serva, uma empresa global de imposto sobre as emissões de carbono.

Em outro lembrete austero que estes globalistas não poderia dar a mínima para as emissões de CO2, apenas as economias destruidas e da classe média, seu comportamento é completamente em desacordo com a forma como eles estão indignados exigindo outras pessoas que vivam suas vidas.

O relatório do London Telegraph revela que a quantidade de CO2 combinadas da conferência será a quantidade não inferior a 41.000 toneladas, o equivalente à produzida por um país Africano, no mesmo período.

Apesar do fato de que os bandidos climáticas constantemente censurar e intimidar publicamente Joe sobre não dirigir veículos híbridos e tendo duas férias por ano, através de aeronaves comerciais, os criminosos estão chegando em Copenhague em luxuosos jatos privados antes zunindo em torno da cidade de gás e limusines que excedem o limite.

“Nós pensamos que não iríamos ter muitos carros, devido a ser uma convenção do clima”, Majken Friss Jorgensen, diretor da empresa de Copenhague limusine disse ao Telegraph. “Mas parece que a semana passada alguém olhou para o relatório do tempo.”

“Ms. Jorgensen calcula que entre ela e seus rivais, o número total de limusines em Copenhague, na próxima semana já rompeu a barreira de 1.200. O francês tocou apenas até quinta-feira e condenou outros 42. “Não temos limos suficiente no país para atender a demanda”, diz ela. “Nós estamos tendo que dirigir centenas de milhas da Alemanha e da Suécia.”

“E o número total de carros elétricos ou híbridos entre esse número? “Cinco”, diz a Senhora Jorgensen. ”

Enquanto estão preparando discursos sobre como a classe média será forçada a reduzir os seus padrões de vida, pagar impostos mais elevados em todas as formas de viajar, e fazer sacrifícios pessoais, a fim de “salvar o planeta da ameaça alegada de CO2″, os globalistas de Copenhague estam relaxam com mais de 140 jatos extras privados, que estão sendo forçados a deixar pessoas em Copenhague e depois voar de volta para outros aeroportos e até mesmo de outros países só para estacionar, devido à falta de espaços.

Elitistas estão nos zombando até a alma, comendo foie gras e esculpindo cunhas de caviar, as mesmas pessoas que dizem nas suas palestras para o público que comer carne está prejudicando a terra.

E, embora os ladrões vigaristas do clima tem seu dedo em você por ter tido a ousadia de possuir um SUV, que será executado um projeto de mais de US $ 200 milhões de dólares, adivinha quem vai ser pegar a conta?

“De acordo com uma análise feita pela Aliança do contribuinte, o custo conservador de Copenhague é de 130 milhões.

Inclui £$ 6.3 milhões de libras em vôos, £$ 20 milhões em hotéis e em £$ 3,3 milhões em comida “, relata o Daily Mail.

“O número também inclui os salários dos delegados e da contribuição do governo dinamarquês de £37 milhões. A maior parte do dinheiro virá dos contribuintes.”

Enquanto isso, o eco-fascismo provou que ainda está muito vivo e bem com a notícia de que “56 grandes jornais de 45 países estão fazendo a publicação de um editorial compartilhado sobre políticos e negociadores reunidos em Copenhague sendo um acordo ambicioso na luta contra a mudança climática”.

Claro que, por trás da arrogância artificial em nome de tais publicações, que estão de alguma forma falando com uma voz unida no interesse da humanidade, tudo isto realmente mostra é que o mesmo estabelecimento de tentar bater os últimos pregos no caixão da liberdade, por tributação de dióxido de carbono, o gas que dá vida e que os seres humanos expiram e as árvores absorvem, também acontecerá e poderá controlar a grande maioria dos meios de comunicação global.

Longe de ser um ato de grande defesa benigno, como está sendo moldado, o fato de 56 principais jornais do mundo todo estão lançando a mesma propaganda, especialmente à luz do escândalo Climategate que a maioria deles não conseguiram sequer reconhecer em qualquer profundidade, soa como o tipo de controle editorial dos nazistas exercido em 1930, na Alemanha ou a de Joseph Stalin apreciada na Rússia comunista.

Entretanto, de acordo com um artigo no Spiegel Online, prostitutas estão se preparando para os globalistas descendo em Copenhague, oferecendo sexo livre. O presidente da Câmara de Copenhague tentou limitar o dilúvio esperado de pessoas na reunião apreciando o uso de prostitutas, enviando uma carta para hotéis em toda a cidade instando os delegados e convidados na conferência, “seja sustentável, não compra sexo.” Prostitutas responderam oferecendo sexo livre para qualquer participante em Copenhague que carrege a carta do prefeito.

Cúpulas deste tamanho são rotineiramente acompanhadas por um aumento enorme no comércio do sexo em qualquer cidade em que acontecerá perto do lugar. Enquanto agentes da elite mundial e seus mestres palestrantes sobre nossa moral imperativa, metade dos quais cometeram adultério em todas as noites durante as conferências, mesmo globais em que habitualmente posam com justa indignação.

Certifique-se que você tem a abundância dos sacos de vômito em alerta durante as próximas semanas, porque você vai ser infinitamente lecionado por um bando de amorais, branqueamento de arranque, bandidos frenéticos controladoa que não poderiam cuidar menos sobre o meio ambiente, a menos que pode invocá-lo como um pretexto para tributar-lhe para fora da existência, enquanto declaram suas partículas muita das quais que você respira é um veneno mortal.

Fonte: Infowars – Globalist Hypocrites Arrive In Copenhagen for Summit

Aquecimento Global

07/12/2009
O caso Climategate, onde se manipularam dados para provar o aquecimento global, é um dos maiores escândalos científicos da História, pelo modo como afecta a credibilidade pública da comunidade científica e sobretudo pelas suas implicações económicas e políticas.

José J. Delgado Domingos* (www.expresso.pt) – PORTUGAL

Passaram há pouco 42 anos sobre um dos maiores desastres de origem climática em Portugal: as inundações de 1967 em Lisboa. Centenas de mortes e centenas de milhões de prejuízos materiais. Será que este desastre se deveu às emissões de CO2eq (CO2 equivalente) ou ao aquecimento global? Claro que não!

Aliás, na altura, a imprensa internacional explorava os receios de uma nova idade do gelo devido ao arrefecimento global que se verificava.

Em 1967, a probabilidade de ocorrência da precipitação que provocou o desastre em Lisboa era conhecida. Uma precipitação com características análogas pode repetir-se amanhã e as suas consequências só serão menores se as necessárias medidas de prevenção forem entretanto tomadas (e nem todas o foram!).

Catástrofe de Nova Orleães não foi causada pelo aquecimento global

O que se passou com a destruição de Nova Orleães pelo furacão Katrina foi análogo: as consequências de um furacão com aquelas características eram bem conhecidas, e as imprescindíveis obras de reparação e reforço das protecções foram insistentemente pedidas mas sistematicamente adiadas.

A catástrofe não teve nada que ver com emissões de CO2eq ou aquecimento global. As tragédias climáticas no Bangladesh, não são provocadas por emissões de CO2eq, aquecimento global ou subida do nível do mar mas sim pelas inundações resultantes do assoreamento dos rios originado pela erosão que as extensíssimas desflorestações a montante agravaram e pelo crescente aumento do número de habitantes e construções em leito de cheia.

Segundo a ONU, mais de mil milhões de pessoas estão actualmente ameaçadas pela fome ou subnutrição, e agita-se o fantasma do seu aumento ou das suas migrações massivas se não forem combatidas as emissões de CO2eq para reduzir o aquecimento global.

A situação dramática e escandalosa destes milhões de seres humanos não tem nada a ver com as emissões de CO2eq, nem com o aumento oficial de 0,8ºC na temperatura média global nos últimos 150 anos.

Temperaturas não aumentam desde 1998

Aliás, apesar de as emissões de CO2eq terem aumentado acima do cenário mais pessimista do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) da ONU, desde 1998 que a temperatura global não aumenta.

Os exemplos anteriores poderiam continuar mas a conclusão seria sempre a mesma: as consequências catastróficas de fenómenos climáticos são evidentes e têm aumentado devido a acções humanas.

O que sucedeu em 1967 em Lisboa e se repete cada vez mais agravado por esse mundo fora não é devido a emissões de CO2eq ou alegado aquecimento global.

É devido simplesmente ao facto de fenómenos climáticos naturais, que sempre existiram, terem efeitos cada vez mais catastróficos porque as acções humanas sobre o território criaram as condições para isso ao desflorestarem as cabeceiras de rios (que agravaram o seu assoreamento e as consequentes inundações), ao aumentarem os riscos de deslizamento das encostas (porque eliminaram a vegetação que as estabilizava), ao construírem cada vez mais em leitos de cheia, e ao provocarem alterações cada vez mais extensas e profundas no uso do solo.

Os efeitos das alterações no uso do solo são cada vez mais evidentes nas alterações climáticas locais e nos seus reflexos globais.

Sendo evidente que a variabilidade natural do clima sempre existiu e que as acções humanas têm vindo a agravar os seus efeitos, a subversão conceptual que a UE liderou, reduzindo tudo, ou quase tudo, às consequências do aquecimento global provocado por emissões de CO2eq é muito grave e, em última instância, contrária aos louváveis ideais que afirma defender e que suscitam o apoio das organizações ambientalistas e de multidões de bem intencionados.

Um dos maiores escândalos científicos da História

É neste contexto que rebenta o escândalo do chamado Climategate. Em termos da comunidade científica, o Climategate é um dos maiores escândalos científicos da História, não só pelo modo como afecta a credibilidade pública da comunidade científica mas sobretudo pelas implicações económicas e políticas de que se reveste.

De facto, nunca existiram tantas declarações, tantos tratados, tantos protocolos e tão gigantescos fluxos financeiros tendo como único fundamento a credibilidade e o suposto consenso da comunidade científica expresso nos Summary for Policy Makers (SPM) do IPCC.

Esse fundamento desapareceu, mas os interesses envolvidos (políticos, económicos, financeiros e industriais) são de tal monta e a percepção pública da fraude científica é tão lenta que a ficção criada pela UE ainda se irá manter durante muito tempo.

O Climagate consistiu na divulgação, através da Internet, de um conjunto de ficheiros, que incluem programas de computador e emails trocados entre alguns dos principais autores dos relatórios do IPCC, de entre os quais assumem particular relevo os de Phill Jones, director do Climate Research Unit (CRU) da Universidade de East Anglia e Hadley Centre (Reino Unido), de autores do notório hockeystick e instituições responsáveis pelas bases de dados climáticos, como o National Climate Data Center (NCDC) e o Goddard Institute for Space Studies (GISS) dos EUA, consideradas de referência pelo IPCC.

O hockeystick é o termo usado entre os cientistas para designar o gráfico (ver nesta página) em forma de stick de hóquei que representa a evolução das temperaturas do hemisfério norte nos últimos mil anos, e que foi criado por um grupo de cientistas norte-americanos em 1998.

Manipulação de dados

Os referidos ficheiros encontravam-se num servidor do CRU e a sua autenticidade não foi até agora contestada. Aliás, muitos deles apenas confirmam o que há muito se suspeitava acerca da manipulação/fabricação de dados pelo grupo.

Todavia, muito do que era suspeito e atribuível a erro humano surge agora como intencional e destinado a manter a “verdade” (do IPCC) de que houve um aquecimento anormal e acelerado desde o início da revolução industrial devido à emissões de CO2eq.

Esta “verdade” é incompatível com o Período Quente Medieval (em que as temperaturas foram iguais ou superiores às actuais apesar de não existirem emissões de CO2eq) e a Pequena Idade do Gelo que se seguiu. É também incompatível com o não aquecimento que se verifica desde 1998. Esconder ou suprimir estas constatações foram objectivos centrais da fraude científica agora conhecida.

Silenciar os cientistas críticos

Em termos científicos, o que os emails revelam são os esforços concertados dos seus autores, junto de editores de revistas prestigiadas, para não acolher publicações que pusessem em causa as suas teses ou os dados utilizados pelo grupo, recorrendo mesmo a ameaças de substituição de editores ou de boicote à revista que não se submetesse aos seus desígnios.

Propuseram-se mesmo alterar as regras de aceitação das publicações para consideração nos Relatórios do IPCC de modo a suprimir as críticas fundamentadas às suas conclusões. Em resumo, procuraram subverter, em seu benefício, toda a ética científica da prova, da contraprova e de replicação de resultados que está no cerne do método científico, controlando o próprio processo da revisão por pares.

Em conjunto, conseguiram impedir que fossem publicados a maioria dos dados e conclusões que pusessem em causa e com fundamento o seu dogma do aquecimento global devido às emissões de CO2eq.

O Climategate provocou já uma invulgar reacção internacional, como uma simples pesquisa no Google imediatamente revela (mais de 10.600.000 referências menos de uma semana depois da sua revelação).

No intenso debate internacional em curso e que irá certamente continuar por muitos meses/anos, surgiram já todos os habituais argumentos de ilegalidade no acesso aos documentos; de idiossincrasias próprias de cientistas-estrelas que se sentiram incomodados; citações fora de contexto, etc.

Em meu entender, o mais revelador e incontestável nos ficheiros divulgados nem são os emails, apesar do que mostram quanto ao carácter e a honestidade intelectual dos cientistas intervenientes, mas sim os programas de computador para tratar os registos climáticos que utilizaram para justificar as conclusões que defendem.

Diga-se o que se disser, os programas executaram o que está nas suas instruções e não o que os seus autores agora vêem dizer que fizeram ou queriam fazer.

Dados climáticos até 1960 destruídos

Antecipando porventura o que agora sucedeu, os responsáveis pelos dados climáticos de referência arquivados no CRU, vieram publicamente confirmar que destruíram os dados das observações instrumentais até 1960 e que apenas retiveram o resultado dos tratamentos correctivos e estatísticos a que os submeteram.

Ou seja, tornaram impossível verificar se tais dados foram ou não intencionalmente manipulados para fabricar conclusões. Neste momento há provas documentais indirectas de que o fizeram pelo menos nalguns casos.

Existe ainda um efeito perverso na referida manipulação que resulta de os modelos climáticos utilizados para a previsão do futuro terem parâmetros baseados nas observações climáticas passadas, que agora estão sob suspeita.

Afecta também todas as calibrações de observações indirectas relativas a situações passadas em que não existiam registos termométricos.

Independentemente de tudo isto, o mais perturbador para os alarmistas é o facto de, contrariamente ao que os modelos utilizados pelo IPCC previam, não existir aquecimento global desde 1998, apesar do crescimento das emissões de CO2eq.

E se alguma coisa os ficheiros do Climagate revelam são os esforços feitos para que este facto não fosse do conhecimento público.

(clique na imagem para ver o documento em formato PDF)

Comportamento escandaloso e intolerável

O comportamento escandaloso e intolerável de um grupo restrito de cientistas que atraiçoaram o que de melhor a Ciência tem só foi possível porque um grupo de políticos, sobretudo europeus, criou as condições para o tornar possível.

Isso ficou claro desde a criação do IPCC e torna-se evidente para quem estuda os relatórios-base do IPCC (WG1-Physical Science Basis) e os confronta com os SPM.

Todavia, seria profundamente injusto meter todos os cientistas no mesmo saco, pelo que é oportuno lembrar que se deve a inúmeros cientistas sérios e intelectualmente rigorosos uma luta persistente e perigosa contra os poderes estabelecidos, para que a ciência do IPCC fosse verificável e responsável.

Foram vilipendiados e acusados de estar ao serviço dos mais torpes interesses. Os documentos agora revelados mostram que estavam apenas ao serviço da Ciência e do rigor e honestidade dos métodos que fizeram a sua invejável reputação.

Seria também irresponsável agir como se as consequências da variabilidade climática e da utilização desbragada de combustíveis fósseis tivesse desaparecido com a revelação do escândalo. Muito pelo contrário.

Problemas ambientais de fundo devem ser atacados

Chame-se variabilidade climática ou alteração climática, os problemas de fundo da sustentabilidade ambiental permanecem e agravam-se pelo que devem ser atacados com determinação e realismo.

Se os esforços internacionais mobilizados para a Cimeira de Copenhaga conseguirem ultrapassar a obsessão do aquecimento/emissões (liderado pela UE) para se concentrarem na eficiência energética, nas energias renováveis, na minimização dos efeitos das alterações nos usos do solo, no combate à desflorestação, à fome e aos efeitos da variabilidade climática, teremos uma grande vitória para o planeta se a equidade e a justiça social não forem esquecidas.

Ao que parece, as propostas da China e dos EUA vão neste sentido tendo a delicadeza suficiente para não humilhar a União Europeia. Esperemos que sim.

*Professor catedrático do Instituto Superior Técnico

fonte: EXPRESSO – PORTUGAL

Climategate e o Blackout da Mídia no Brasil

07/12/2009

Última Notícias Sobre o Climategate e o Blackout da Mídia no Brasil

2 de dezembro de 2009, 23:11:50: Jesus Vem ! | noreply@blogger.com (Emerson)Ir para artigo inteiro

12 dias após o estouro do escândalo Climategate, no qual emails e código de software de pesquisadores ingleses e americanos divulgados expõem a farsa do aquecimento global, a imprensa brasileira ainda ignora o assunto, como se nada estivesse acontecendo. Na pesquisa de notícias em inglês do google, vários dos primeiros resultados quando pesquisamos por “Global warming” são sobre o climategate. Se procurarmos “aquecimento global”, nenhum dos resultados cobre o “incidente”. Se procurarmos por “climategate aquecimento global” (sem aspas) retorna o resultado de apenas 7 resultados resultados, e todos de Portugal, e de apenas 2 jornais diferentes!!!!! A mesma pesquisa em inglês retorna retorna 1869 resultados. O estadão noticiou nos primeiros dias informando apenas que havia alegações sobre os emails hackeados, e depois não tocou mais no assunto.

O que foi que aconteceu, um blackout na mídia brasileira, que está ignorando o maior escândalo científico de todos os tempos??? Se vermos como a rede globo atacou o documentário do channel 4 britânico “A Farsa do Aquecimento Global” não é de se surpreender a falta total de qualquer cobertura sobre este escândalo no Brasil.
Vendo novamente este vídeo, me parece que temos o nosso Jones no brasil, o membro do IPCC e professor do INPE Carlos Nobre, que neste vídeo da globo faz sua propaganda pró-aquecimento global.

Vídeo : www.youtube.com/watch?gl=BR&hl=pt&v=r68nSt2fMPY

Copenhague …

07/12/2009

Fracasso em Copenhague seria melhor, diz cientista da Nasa

Publicado em Dezembro 6, 2009 por apocalipsetotal

O mundo estará melhor se fracassar a reunião climática da ONU, programada para este mês em Copenhague, afirmou um cientista da Nasa que ajudou a fazer os alertas sobre os perigos do aquecimento global

Em entrevista ao jornal britânico Guardian, James Hansen afirmou que qualquer acordo resultante do evento será tão falho que, para as futuras gerações, seria melhor que as discussões fossem retomadas do zero.

“Seria melhor não acontecer, se as pessoas aceitarem esse como o melhor caminho, porque é um caminho desastroso. Toda a abordagem está tão fundamentalmente errada que é melhor reavaliar a situação. Se for uma coisa como (o atual Protocolo de) Kyoto, aí serão gastos anos tentando determinar exatamente o que significa”, disse Hansen, que é diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais, da Nasa, em Nova York.

Na quarta-feira, um documento assinado por China, Brasil, Índia e África do Sul rejeitou as principais metas propostas pela Dinamarca, como a redução pela metade das emissões globais de gases do efeito estufa até 2050, em comparação aos níveis de 1990. Os países em desenvolvimento querem mais empenho dos países ricos na redução das suas emissões antes que haja metas globais, pois temem que isso transfira para si o ônus da ação, travando seu crescimento econômico.

Créditos de carbono – Hansen se opõe fortemente aos esquemas de créditos de carbono, em que autorizações para poluir são compradas e vendidas. A União Europeia e outros governos consideram esse sistema como a melhor forma de reduzir emissões e “limpar” a matriz energética do mundo.

O cientista também é contra o plano do governo dos Estados Unidos para um sistema de limites e créditos para as emissões de CO2 no país. Ele prefere um imposto sobre o uso da energia. Na opinião de Hansen, o combate à mudança climática não deixa margem para o tipo de concessão que costuma dominar a política mundial.

“Isso é análogo à questão da escravidão enfrentada por Abraham Lincoln ou a questão do nazismo enfrentada por Winston Churchill”, afirmou. “Nesse tipo de questão, não se pode fazer concessões. Não se pode dizer ‘Vamos reduzir a escravidão, vamos encontrar um acordo e reduzi-la em 50 ou 40 por cento’. Não temos um líder que seja capaz de captar isso e dizer o que é realmente necessário.”

(Reuters)