Archive for the ‘Sinais do Fim’ Category

O novo bicho-papão do Fantástico…

17/05/2012

Neomalthusianismo: o novo bicho-papão do Fantástico…

Escrito por Klauber Cristofen Pires | 16 Maio 2012
Media Watch – Outros

Desmistificada a campanha do aquecimento global, o programa Fantástico, da Rede Globo, entra com novo quadro para seguir atemorizando a população, agora com ideias neomalthusianas.

Não constitui nenhum segredo o esforço magistral com que a Rede Globo tentou emplacar a tese do aquecimento global, em notória e estrita fidelidade aos projetos de governança mundial, a cumprir com leal disciplina o seu papel de doutrinadora de massas.

A começar pela divulgação do famoso vídeo de Al Gore, passando por inúmeros programas exibidos em vários horários para difundir a trágica ameaça aquecimentista, pela mobilização de ONG’s de idoneidade discutível, pela apresentação de inserções e vinhetas entre outros programas e culminando especialmente por quadros especiais inaugurados no horário nobre dominical – quem se lembra daqueles programas de gigantescos cubos de carbono? – não há a mais remota chance de esta emissora alegar inocência.

Muito pelo contrário, mesmo diante de respeitáveis opiniões divergentes e de todas as mais relevantes evidências, e ainda, mesmo diante da histórica invasão de hackers que trouxeram ao conhecimento do público vários e-mails da Unidade de Pesquisas Climáticas da Universidade de East Anglia, que faziam parte da comunicação entre influentes cientistas pró-aquecimento global, na qual mostravam claramente a manipulação de dados, a Rede Globo – sempre faço questão de frisar: a despeito de seus pomposamente anunciados “princípios editoriais” – em todas as oportunidades replicou com novas reportagens pretendentes a desmentir os ocorridos e desacreditar os cientistas que já a altura eram pejorativamente alcunhados pelos “aquecimentistas” como “negacionistas”.

Pois, chegado a termo o embuste, selado com chave de ouro pelas últimas declarações do Dr Ricardo Augusto Felício, professor de climatologia da USP, junto à imprensa, em ratificação a anteriores advertências do respeitável Dr. Luís Carlos Molion, nada mais resta da história a não ser identificarmos e gravarmos bem os protagonistas disto que se tornou um verdadeiro crime de estelionato em dimensões mundiais, no mínimo, para vacinarmo-nos contra novas investidas mal-intencionadas.

Ora, dignos leitores, mantenham-se vigilantes, pois novas empulhações já estão sendo anunciadas: refiro-me ao programa do Fantástico intitulado “Planeta Terra: Lotação Esgotada”, a vir ao ar no próximo domingo, dia 20 de maio de 2012, no qual a gigante da TV brasileira visa alimentar nos seus telespectadores o medo da superpopulação do planeta, a partir do requentamento das rechaçadas, rechaçadas e rechaçadas teorias malthusianas e darwinistas, segundo as quais a produção de alimentos não há de acompanhar o crescimento populacional, e que os recursos estão em estado de exaurimento.

Vale a pena reproduzir aqui a síntese, tal como redigida pelos seus responsáveis, seguida dos meus comentários:

Somos 7 bilhões de pessoas. Chegamos ao limite do nosso planeta? Afinal, quantas pessoas a Terra pode suportar? A partir do próximo domingo (20), você vai acompanhar uma investigação que rodou o mundo. Nossos repórteres viajaram pelos cinco países mais populosos da Terra. Eles foram até a África mostrar o continente que mais cresce no mundo e impacto do aumento populacional.

Meu comentário: Só sete bilhões? Por favor, acordem-me quando chegarmos aos setenta! Isto aí não dá nem para encher o estado de São Paulo, mesmo que cada um dos cidadãos morasse em uma mansão. Bom, mas tomando por certo que a África seja o continente de maior crescimento vegetativo, quem disse que ela é o melhor modelo de solução dos problemas da fome, das doenças e da preservação ambiental?

Como podemos alimentar, vestir, fornecer água, energia e moradia para tanta gente? Soluções tecnológicas para gerar energia e produzir mais comida. É possível tirar bilhões de pessoas da miséria sem condenar o ambiente? A luta contra as forças de um planeta maltratado. E os esforços para preservar espécies em extinção. Você vai ver a partir de domingo que vem em uma nova série no Fantástico, “Planeta Terra: Lotação Esgotada”.

A jornalista Sonia Bridi visita os países mais populosos do mundo – China, Índia, Indonésia, Estados Unidos, além do Brasil – e viaja pela África, o continente que mais cresce, para mostrar o que precisa mudar e também algumas soluções sustentáveis que já foram encontradas para preservar espécies em extinção e gerar energia ou mais comida, sem maltratar a natureza.

Meu comentário: que tal a sociedade livre capitalista, sem intervenções estatais? Uma dica: façam um passeio de foguete – ou acessem o Google Earth, que é bem mais barato – e constatem que os países industrializados possuem uma cobertura vegetal bem mais preservada do que os pertencentes ao bloco comunista ou recém-saídos dele, bem como os do primitivo terceiro mundo. A área coberta dos EUA hoje é maior do que no tempo da colonização. Nunca a produção de alimentos foi tão grande – e continua crescendo!

O primeiro episódio da série apresenta soluções encontradas pela China e pelos moradores de Ruanda para garantir o desenvolvimento sustentável das populações. A repórter mostra como os chineses fizeram para controlar o crescimento populacional do país com a política do filho único e, na África, conta a história de Ruanda. O país africano passou por um genocídio étnico em 1994 e conseguiu dar a volta por cima e recuperar a qualidade de vida de seus moradores após o massacre. Através da preservação dos gorilas da Montanha dos Gorilas e do turismo estrangeiro gerado pelo interesse nos animais, eles geram hoje recursos que garantem a sobrevivência da população local.

Proibir as famílias de gerarem um segundo filho e executar a laqueadura forçada das trompas nas mulheres é a solução? Pois saibam que a China enfrenta sim, hoje, um gravíssimo problema de ordem previdenciária, pois a política de filhos únicos provocou uma inversão da pirâmide etária que está para gerar grandes transtornos econômicos de repercussões mundiais. Quanto a Ruanda… abrir zôos é a solução? Aff…

Como se poderá ver, já no primeiro episódio o argumento se pauta pelo controle limitador da população, a legitimar as pesadas campanhas contraceptiva, abortista, eutanasista e gayzista que já estamos faceando em larga escala pelos meios de comunicação.

Jamais na história Thomas Malthus e Charles Darwin deram uma dentro, a não ser olhando para o passado ou tomando como modelo a tenebrosa vida dos animais irracionais na natureza. A liberdade dos seres humanos sempre estimulou a criatividade, com resultados cada vez mais fantásticos de produtividade na produção de alimentos, geração de energia, educação, comunicação, vestuário, transporte, medicina e todos os outros âmbitos da vida material.

A grotesca proposta sociológica – estudar a população para manipulá-la como um um terno jogo de lego – não passa de arrogante cientificismo que se jacta do alto de sua soberba ignorância e magnificentíssima insignificância a fim de pretender ocupar um lugar que jamais será seu por direito: o trono de Deus.

Aqueles que pregam as teorias malthusianas e darwinistas – que não são outros que não os coletivistas socialistas – somente têm em mente construir os seus mirabolantes planos para dominar a sociedade com o fito de viver nababescamente às custas do trabalho dos demais. Como diz o ditado popular: “enquanto houver cavalo, São Jorge não anda a pé”. Quem quer carregar estes tipos nas costas?

Fonte : http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/outros/13063-neomalthusianismo-o-novo-bicho-papao-do-fantastico-.html

Fema no Fantastico apartir de 20/05

17/05/2012

Sônia Bridi apresenta ”Planeta Terra, Lotação Esgotada”

SÃO LUÍS – A população mundial chegou à marca de sete bilhões de pessoas. Será que estamos no limite do planeta? Como é possível alimentar, vestir, fornecer água, energia e moradia para tanta gente sem comprometer o futuro do meio ambiente? São essas questões que a nova série do Fantástico pretende discutir, a partir do próximo domingo (20). O especial “Planeta Terra, Lotação Esgotada”, que conta com cinco episódios, adianta a reflexão sobre os principais temas que serão discutidos, em junho, na Rio+20 – conferência da ONU que reúne líderes do mundo todo para debater meios de transformar a Terra em um lugar melhor para se viver.

A jornalista Sonia Bridi visita os países mais populosos do mundo – China, Índia, Indonésia, Estados Unidos, além do Brasil – e viaja pela África, o continente que mais cresce, para mostrar o que precisa mudar e, também, algumas soluções sustentáveis que já foram encontradas para preservar espécies em extinção e gerar energia ou mais comida, sem maltratar a natureza.

O primeiro episódio da série apresenta soluções encontradas pela China e pelos moradores de Ruanda para garantir o desenvolvimento sustentável das populações. A repórter mostra como os chineses fizeram para controlar o crescimento populacional do país com a política do filho único e, na África, conta a história de Ruanda. O país africano passou por um genocídio étnico em 1994 e conseguiu dar a volta por cima e recuperar a qualidade de vida de seus moradores após o massacre. Através da preservação dos gorilas da Montanha dos Gorilas e do turismo estrangeiro gerado pelo interesse nos animais, eles geram hoje recursos que garantem a sobrevivência da população local.

A série “Planeta Terra, Lotação Esgotada” estreia neste domingo, no Fantástico. O programa vai ao ar logo após o Domingão do Faustão.

Fonte : http://imirante.globo.com/namira/noticias/2012/05/15/pagina308425.shtml

Fonte : http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1680313-15605,00-PLANETA+TERRA+LOTACAO+ESGOTADA+DISCUTE+IMPACTO+DO+CRESCIMENTO+POPULACIONAL.html

Bill Gates disse: “…se fizermos um trabalho realmente bom com as novas vacinas…”

11/05/2010

Fonte: http://www.olibertario.org/2010/03/reducao-populacao-vacinacao-bill-gates.html

Eugenia…

Fonte: Verdade oculta

Guerras Climáticas. Isso seria possível ?…1/5

08/03/2010

Fonte: profetaweb.com

Pregadores civilizados…

04/03/2010

Acorde igreja !!!

04/03/2010

O Presidente Iraniano Ahmadinejad Identifica-se Como um Maçom! Outra Razão Por Que o Irã Não Será Invadido ou Atacado!

23/02/2010

Prova positiva que a Maçonaria Iluminista controla os dois lados de qualquer conflito. O presidente Ahmadinejad pertence à elite globalista, de modo que seu país não será impedido de cumprir o papel atribuído a ele pelas profecias bíblicas. O conflito entre o Ocidente e o Irã está sendo conduzido segundo os princípios da Dialética Hegeliana!
A Nova Ordem Mundial está chegando! Você está preparado?
Compreendendo o que realmente é essa Nova Ordem Mundial, e como está sendo implementada gradualmente, você poderá ver o progresso dela nas notícias do dia-a-dia!!
Aprenda a proteger a si mesmo e aos seus amados!
Após ler nossos artigos, você nunca mais verá as notícias da mesma forma.
Agora você está na
“THE CUTTING EDGE”

O Presidente Iraniano, Ahmadinejad, É Maçom!
Como você pode ver na foto acima, o presidente do Irã está trocando um aperto de mão maçônico com Larry King! Não há dúvida alguma que King está dando ao presidente iraniano um aperto de mão maçônico tradicional. Vamos ao artigo de onde essa foto foi extraída.
Resumo da Notícia: “Os Maçons Dirigem Nosso Teatro Político”, Henry Makow, http://www.Rense.com, 8 de outubro de 2008.
“Quando você aperta a mão de alguém, o polegar naturalmente fica para cima ou reto. Quando ele aponta para baixo, você está sinalizando que é membro do maior culto satânico do mundo, a Maçonaria, e está comprometido com seu objetivo de um governo mundial sob a liderança do Anticristo. Leia o que Stephen Knight escreveu sobre o aperto de mão maçônico em The Brotherhood (“A Fraternidade”) (1983): ‘O Mestre Maçom aplica uma pressão distinta com seu polegar entre a junta dos dedos médio e terceiro’.” (pg 132).
Essa informação está absolutamente correta! Quando Larry King trocou o aperto de mão maçônico com o presidente Ahmadinejad, estava sinalizando para todo o mundo ocultista que o líder da Pérsia é membro da sociedade secreta maçônica. Portanto, todos os ocultistas saberão que o presidente iraniano está sendo controlado pelos Illuminati e está simplesmente cumprindo o papel que lhe cabe. Portanto, precisamos entender que esse aperto de mão é também uma confirmação que toda a crise em torno do suposto programa iraniano de desenvolvimento de armas nucleares é uma crise planejada, na qual as lideranças da Rússia, Irã, Israel, EUA, Grã-Bretanha e União Européia têm um papel determinado.
Em outras palavras, a crise deliberadamente criada com o Irã está seguindo um roteiro que resultará em uma enorme quantidade de “rumores de guerras” sem realmente resultar em uma guerra. Por causa dessa realidade, o presidente Bush e altos funcionários de seu governo fizeram terríveis ameaças, uma atrás da outra, durante cinco longos anos, sem resultar em qualquer ação militar. É por isso que enormes forças navais e aéreas dos EUA se agruparam nas imediações do Irã desde o verão de 2003, apenas para se dispersarem discretamente a cada vez.
Quais são os objetivos do aperto de mão secreto da Maçonaria?
A Gênese Original do Aperto de Mão Maçônico
Temos de voltar ao livro de John J. Robinson, Born in Blood (“Nascida em Sangue”), para entender essa história.
Examinando cuidadosamente os ensinos maçônicos, seus rituais e a origem de sua linguagem, Robinson concluiu que “quando o papa Clemente V conspirou com o rei francês Filipe, em 1313, para prender, julgar e aniquilar os cavaleiros templários, alguns templários franceses escaparam. Além disso, os templários em outros países, principalmente na Inglaterra, conseguiram escapar da perseguição. Eles se concentraram na Escócia, onde o rei escocês se recusou a aplicar a bula papal contra eles. Aceitando outros templários em sua nova ordem secreta e temendo traições, eles evoluíram até à Maçonaria que conhecemos hoje. A ênfase tradicional da sociedade secreta em sinais, apertos de mãos e de guardar segredos faz muito sentido, já que vidas estavam em perigo.” [Born in Blood, pg 150-1].
No entanto, as raízes históricas dessa prática de apertos de mãos podem ser rastreadas até os tempos bíblicos, quando as sociedades secretas da Babilônia dominavam o mundo do ocultismo. Veja a exortação bíblica contra apertos de mãos secretos:
“Não estejas entre os que se comprometem, e entre os que ficam por fiadores de dívidas…” [NT: Onde está comprometem, no original tem o sentido de cumprimentar, apertar mãos.].
Mais uma vez, descobrimos que, se uma pessoa estiver totalmente familiarizada com os mandamentos da Bíblia, nunca cairá na enganação da Maçonaria. Logo após descobrir os juramentos de sangue que é obrigado a fazer, os apertos de mãos secretos que é obrigado a aprender e fazer, e o próprio fato que a Maçonaria tem segredos tão profundos que teme que o público descubra, o cristão imediatamente sairia da Loja Maçônica e nunca mais voltaria. Além disso, ele alertaria em alto e bom som que a Maçonaria não é, nunca foi e nunca será cristã.

Uso do Aperto de Mão Maçônico nos Tempos Modernos
“Acredita-se que os sinais secretos com as mãos, dos Illuminati, operam mágica, invocam seres sobrenaturais e, é claro, comunicam mensagens… O aperto de mão é um sinal de unidade, unidade de objetivo e lealdade, ou devoção, a uma causa comum. Ele é considerado um vínculo, ou selo de reconhecimento entre os irmãos iluministas. As autoridades maçônicas falam de um ‘vínculo místico’ ou união espiritual. Certamente, os demônios se congregam e desfrutam da companhia imunda um do outro.” [Texe Marrs, Codex Magica, pg 145].
[NT: Codex Magica pode ser lido on-line em http://www.bibliotecapleyades.net/sociopolitica/codex_magica/codex_magica.htm#Contents%5D
Você reparou nas informações pertinentes dessa definição? O aperto de mão maçônico realiza o seguinte:
• “Invoca seres sobrenaturais”
• “Opera mágica”
• “É um sinal de unidade”.
E, bem no fim, Texe Marrs informa que o aperto de mão maçônico é demoníaco.
Agora, vamos examinar alguns outros exemplos modernos de apertos de mãos maçônicos:

A foto à esquerda representa o aperto de mão maçônico perfeitamente. Observe a posição do polegar sobre o dedo da mão na esquerda nessa foto; ele está distintamente erguido e posicionado sobre a junta do primeiro dedo de forma singular. Esse é o perfeito aperto de mão maçônico. De verdade, a precisão do aperto depende da habilidade da pessoa que está dando, ou recebendo, o aperto de mão. Alguns maçons fazem um ótimo trabalho, outros não tanto.
A foto à direita mostra o então Secretário de Estado Colin Powell trocando um aperto de mão maçônico com o rei do Marrocos. O rei está dando ao general Powell um aperto de mão muito bom, já que seu polegar está apertando a primeira junta de Powell bem no ângulo correto.
Não pode haver dúvida sobre o fato que o presidente do Irã é um maçom, e que Larry King queria expor esse fato a todos os membros da Fraternidade com discernimento de todo o mundo. Assim, você pode adicionar mais uma razão à longa lista que a Cutting Edge já apresentou sobre as razões por que o Ocidente nunca atacará o Irã!
O Senhor Jesus estava absolutamente correto quando previu:
“E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane; porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores.” [Mateus 24:4-8, ênfase adicionada].
Esse cenário, realizado em uma enorme escala global, é nada mais que o cumprimento dos “rumores de guerras”!
Verdadeiramente, os eventos do dia-a-dia demonstram o fato que os povos do mundo estão marchando em direção às guerras finais que colocarão o Anticristo no cenário mundial.

Fonte: http://www.espada.eti.br/n2318.asp

Série a chegada…1/34

18/02/2010

A Chegada – parte 1

Fonte : http://spirittvonline.blogspot.com/

A verdade a real condição humana…

01/02/2010

Haaa……Haiti……(Lucas 13:1-9)

18/01/2010

Chorando pelo Haiti e por nossas tragédias domésticas – reflexões a partir de Lucas 13.1-9

As lembranças das inundações de 2008, em Santa Catarina, ainda estavam bem presentes conosco, quando testemunhamos as mortes e prejuízos resultantes de deslizamentos, desmoronamentos e alagamentos nesta transição 2009/2010, em nosso Brasil. Depois, nos últimos dias, estamos sendo impactados com o terremoto no Haiti. Temos testemunhado e chorado com o conseqüente sofrimento chocante, intenso e extremamente abrangente, que nos remete ao Tsunami de 26.12.2004, no Oceano Índico, quando pereceram cerca de 220 mil pessoas.

Não sabemos ainda a extensão da tragédia causada pelo terremoto no Haiti. Alguns falam em 200 mil mortos, sem contar aqueles que ainda enfrentarão as doenças e conseqüências da falta de higiene, alimentos e cuidados médicos. A desagregação de famílias e daquela sociedade, já tão fragmentada pela miséria e ausência de governo, corta o nosso coração. Enquanto vemos as cenas de dor e tristeza, e avaliamos tudo isso, procurando aferir o que podemos e devemos fazer, somos levados às Escrituras para procurar alguma compreensão trazida pelo próprio Deus, para esses desastres.

Acima de tudo, devemos resistir à tentação de procurar respostas que diminuem a bíblica soberania e majestade de Deus, e consequentemente a sua pessoa. Tais “explicações”, “conclusões” e “construções” aparentam ser plausíveis, mas revelam-se meramente humanas, pois contrariam a revelação das Escrituras. Esse tipo de resposta sempre aparece, quando ocorrem tais acontecimentos; elas não são novidade nem têm surgido apenas em nossos dias.

Por exemplo, em novembro de 1755 a cidade de Lisboa foi praticamente arrasada por um grande terremoto. A conclusão emitida por padres jesuítas foi a de que: “Deus julgou e condenou Lisboa, como outrora fizera com Sodoma”. Voltaire (François Marie Arouet), que era um deísta, escreveu em 1756 “Poemas sobre o desastre em Lisboa”. Ali, ele culpa a natureza e a chama de malévola, deixando no ar questionamentos sobre a benevolência de Deus. Jean Jacques Rousseau, respondeu com “Carta sobre a providência”. Nela ele culpa “o homem” como responsável pela tragédia. Ele aponta que, em Lisboa, existiam “20 mil casas de seis ou sete andares” e que o homem “deveria ter construído elas menores e mais dispersas”. Ou seja, procurando “inocentar a Deus e a natureza” ele coloca a agência da tragédia no desatino dos homens.[1]

Sobre o terremoto no Haiti, à semelhança do que ocorreu no Tsunami, vi alguns depoimentos de pastores, falando sobre a “mão pesada de Deus, em julgamento”; opinião semelhante à emitida quando do acidente com o avião que transportava o grupo “Mamonas Assassinas”, em 1996.

Ainda outros, procuram uma teologia estranha às Escrituras, para “isolar” Deus da regência da história. São os mesmos que, quando da ocorrência do Tsunami e do acidente ocorrido com o Vôo 447 da Air France em junho de 2009, emitiram a seguinte conclusão: “Diante de uma tragédia dessa magnitude, precisamos repensar alguns conceitos teológicos” (veja as excelentes reflexões sobre esse último desastre, no post do Augustus Nicodemus, neste mesmo blog). No entanto, em vez de formularmos nossa teologia pelas experiências, voltemo-nos ao ensinamento do próprio Jesus.

Em Lucas 13.1-9 temos instrução pertinente sobre vários tipos de tragédias. A primeira tragédia tratada é aquela gerada por homens (Vs 1-3). Certos galileus haviam sido mortos por soldados de Pilatos. A Bíblia diz que “alguns” colocaram-se como críticos e juízes (a resposta de Jesus infere isso); deduziram que aqueles que haviam sofrido violência humana, sangue derramado por armas (em paralelo às situações que vivemos nos nossos dias) seriam mais pecadores do que os demais. O ensino ministrado é o seguinte: Não vamos nos colocar no lugar de Deus. Não vamos nos concentrar em um possível juízo ou julgamento sobre as vítimas. Jesus, em essência diz: cuidem de si mesmos! Constatem os seus pecados! Arrependam-se!

Mas ele nos traz, também, um segundo tipo de tragédias. Esta que é referida é semelhante, guardadas as proporções, à ocorrida no Haiti. São tragédias geradas por “fatalidades”. Ele fala da Torre de Siloé. O texto (Vs 4-5) diz que ela desabou, deixando 18 mortos. Jesus sabia que mesmo quando, aos nossos olhos, mortes ocorrem como conseqüência de acidentes, isso não impede que rapidamente exerçamos julgamento; não impede que tentemos nos colocar no lugar de Deus. E Jesus pergunta: “Acham que eram mais culpados do que todos os demais habitantes da cidade”? O ensino é idêntico: Não se coloquem no lugar de Deus; não se concentrem em um possível juízo ou julgamento sobre as vítimas; cuidem de si mesmos! Constatem a sua culpa! Arrependam-se!

O surpreendente é que Jesus passa a ilustrar o seu ensino com uma parábola (Vs.6-9). Ele fala de uma figueira sem fruto. Aparentemente, a parábola não teria relação com as observações prévias, mas, na realidade, tem. Ela nos ensina que vivemos todos em “tempo emprestado” pela misericórdia divina.

• Figueiras existem para dar frutos – o homem vinha procurar frutos – essa era sua expectativa natural. Todos nós fomos criados para reconhecer a Deus e dar frutos. Esse é o nosso propósito original.

• Figueiras sem frutos “ocupam inutilmente a terra”. O corte é iminente, e justificado a qualquer momento.

• O escape: É feito um apelo para que se espere um pouco mais, na esperança de que, bem cuidada e adubada, a figueira venha a dar fruto e escape do corte.• Lições para o vizinho? Jesus não apresenta a figueira como um paralelo para comparação com outras pessoas – cujas existências foram ceifadas como vítimas de violência ou fatalidades. Ele quer que nos concentremos em nós mesmos, em nossas próprias vidas, pecados e na necessidade de arrependimento.

• Tempo emprestado: O que ele está ensinando e ilustrando, aqui, é que nós, você e eu, como os habitantes do Haiti, vivemos em tempo emprestado; vivemos pela misericórdia de Deus; vivemos com o propósito de frutificar, de agradar o nosso proprietário e criador.

Creio que a conclusão desse ensino, é que, conscientes da soberania de Deus e de que ele sabe o que deve ser feito, não devemos insistir em procurar grandes explicações para as tragédias e fatalidades. Jesus nos ensina que teremos aflições neste mundo (João 1.33) – essa é a norma de uma criação que geme na expectativa da redenção. 1 Pe 4.19 fala dos que sofrem segundo a vontade de Deus. Lemos que não devemos ousar penetrar nos propósitos insondáveis de Deus; não devemos “estranhar” até o “fogo ardente” (1 Pe 4.12).

Assim, as tragédias, desde as locais pessoais até as gigantescas, de características nacionais e internacionais, são lembretes da nossa fragilidade; de que a nossa vida é como vapor; de que devemos nos arrepender dos nossos pecados; de que devemos viver para dar frutos.

Também, não cometamos o erro de diminuir a pessoa de Deus, indicando que ele está ausente, isolado, impotente. Como tantas vezes já dissemos, “Deus continua no controle”. Lembremos-nos de Tiago 4.12: “um só é legislador e juiz – aquele que pode salvar e fazer perecer”. Não sigamos, portanto, nossas “intuições”, no nosso exame dos acontecimentos, mas a Palavra de Deus. Como nos instrui 1 Pe 4.11: “ se alguém falar, fale segundo os oráculos de Deus”.

Em paralelo, não podemos cometer o erro de ser insensíveis às tragédias – Pv 17.5 diz: “o que se alegra na calamidade, não ficará impune”; mesmo perplexos, sabendo que não somos juízes nem videntes. Devemos nos solidarizar com as vítimas, na medida do possível. Um dos nossos comentaristas, em outro post, falou em começarmos uma campanha para auxílio às vítimas do Haiti. Não temos estrutura para fazer isso, como Blog e como blogueiros. No entanto existem aqueles que, chamados para tal, estão estruturados. De nossa parte, estamos procurando motivar os funcionários e alunos da instituição na qual trabalhamos (um total de 47 mil pessoas) a auxiliar de duas maneiras:

1. Para auxiliar os atingidos pela inundação de São Luís do Paraitinga, a mais próxima a nós, trazendo à capelania universitária (Prédio 50, do Mackenzie) doações de não-perecíveis, roupas e produtos de higiene.

2. Para auxiliar as vítimas do terremoto no Haiti: Ajuda através da organização de raízes cristãs, Visão Mundial (CNPJ: 18.732.628/0001-47), por depósito nas contas – Bradesco (Ag.: 3206-9 / CC: 461666-9), ou Banco do Brasil (Ag.: 0007-8 / CC: 16423-2).

“Se alguém tiver recursos materiais e, vendo seu irmão em necessidade, não se compadecer dele, como pode permanecer nele o amor de Deus? Filhinhos, não amemos de palavra nem de boca, mas em ação e em verdade” ( 1 João 3.17-18).

Solano Portela

[1] Folha de S. Paulo 28/12/2004; Jornal do Commércio – Recife – 2/1/2005, de onde foram extraídas as citações desse trecho.

————————————————-
Adaptado de estudos e sermões proferidos em 2005

Fonte: http://tempora-mores.blogspot.com/2010/01/chorando-pelo-haiti-e-por-nossas.html